terça-feira, 14 de abril de 2009

Ressureição

Passeio só à tarde
às margens mudas do lago.
Mas não há um peixinho só
que explique a paixão que trago.

O sol conduz o horizonte;
sei que a lua chega logo.
Porém persiste o fogo errante
desta paixão que agora afogo.

A brisa morna do céu laranja
aquece as frias mãos sem tato.
Atrevo-me; peco. Com as mesmas
puras mãos, a paixão eu mato.

Observo meu reflexo: o que foi
que fiz? Amargo fujo e corro,
pois da ausência da paixão já
trucidada, por dentro todo morro.

E veio a lua feito pérola lustrada
pintando as sombras de luminosa cor.
Em súbita felicidade rara, percebo
que da paixão deposta surgiu o amor.

2 comentário(s):

disse...

own *-*

Caqui disse...

"Porém persiste o fogo errante
desta paixão que agora afogo."

ADOREI esse. vou guardar aqui no pc. haha