domingo, 15 de março de 2009

Claro dia

O sol bate à porta:
acorda Juliano que é dia.
Suspeitoso ergo o olho sobre o apoio da janela.
Claro! que é dia, diazíssimo no mundo.

Me rendo às abelhas, ao frevo
das pedras nas calçadas. Às
sombras dos passageiros esperando
autorizar-lhe o tráfego dos seres.

Um teor de doce e de flor
oscila no vento e ensina
mais que ver - reparar.

Arrisco um passeio. Há uma camada
de brilho no bairro assim cedo!
Há restos de madeira e vestígios
do amor da noite ultrapassada.

Há um ócio adjetivo, disfarçado
no gesto lento
do abrir dos braços e do seio
de vossos irmãos.

Há enfim uma breve respiração aliviada
de um ar verdipuro artefato.

Luminosa cidade, eis uma lição
disposta a ser eternizada;
passada a noite me devolves à vida,
não obstante, cobras nada!

3 comentário(s):

disse...

ACORDA JULIANO!!!!!!!!!!
sou mais esse sol, meio violento >) haeiuaheuiaie

C. disse...

Te indiquei a um selo ^^

www.casadobesouro.blogspot.com

alencar, gabriela disse...

que legal haha :D