quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Canção a amigo desolado

a amigo meu


Camarada
conta-me, sussura qual
o motivo de tanta lágrima no assoalho?
para apoio meu ombro é teu;
pode ficar.
Agora vamos, que juntos
fazemos dos versos alegoria.
Juntos, delas as bocas são
sorrisos e os beijos promessas.
Juntos eu e tu
que as velas acendem assim
que as passamos, enfim
te embrulho e te levo
na morada da canção.
Não choras, que os dias
ainda têm muito por quem brilhar.
E é sinal, quando te pinto
de esperança: futura visão,
consto, de que nossa separação
é apenas ingrediente secreto que agora cozemos.
E na outra vida, vendo-te
vejo-me: sendo dois, somos um.

(te acalmo pois acredite:
a vida continua boa, apesar de)

1 comentário(s):

Caqui disse...

gostei!
tá muito rapidinho nessas postagens. (?)
gostei! [2]